SB Crédito Blog

Conteúdos para descomplicar

as finanças da sua empresa!

Marketing SB Crédito 19 de julho de 2021
COMPARTILHE

Medidas essenciais para lidar com um fluxo de caixa deficitário

Muitos modelos de negócio precisam lançar mão de investimentos para se consolidar no mercado. 

Por exemplo, o serviço de streaming pioneiro Netflix passou anos no vermelho antes de se tornar rentável. Isso significa, portanto, que a empresa teve uma sequência de caixas deficitários.

O fluxo de caixa é importante para o controle financeiro. 

É uma ferramenta para registrar a entrada e saída de recursos, num determinado período de tempo. Um dos indicadores mais fiéis da saúde do caixa é a relação entre fluxo de pagamentos e o de recebimentos.

E o que impacta o fluxo de caixa para que ele se torne deficitário? 

Bom, pensamos primeiro sempre nos gestores da empresa, quem cuida das finanças, mas, ao analisarmos uma companhia, basicamente todo o processo produtivo impacta o capital de giro.

Isso porque é necessária uma análise mais detalhada do que é oneroso à empresa, do que não representa gastos essenciais ou do que atrapalha a entrega de um produto.

Modelos de negócios que se baseiam em fluxo de caixa deficitário

No entanto, deve-se levar em conta que muitos modelos de negócio dependem de um fluxo de caixa restrito.

Temos exemplos no setor da construção civil, onde é necessária a compra dos recursos para dar início às obras antes do pagamento. Outro segmento é o setor de revenda, cujos produtos são comprados visando um estoque para a venda a um outro consumidor.

Se sua empresa faz parte de um fluxo de caixa restrito, ou até mesmo deficitário, é importante mitigar os danos, pensando em como aumentar o seu faturamento para evitar maiores dificuldades.

O cuidado diário com seu fluxo de caixa

Uma boa maneira de se lidar com um caixa deficitário é minimizar as perdas. 

Isso se faz com um bom controle financeiro a partir da realização de fluxos de caixas cotidianos, com anotações rigorosas e categorizadas sobre o dinheiro que entra e o dinheiro que sai. 

O saldo é situacional, ou seja, depende das circunstâncias desse movimento de capital, que pode ocorrer num curto espaço de tempo. 

Uma análise equivocada pode indicar mais recursos que existem de verdade, algo que se torna perigoso na hora de honrar os pagamentos.

Faça análises frequentes, diárias, para evitar distorções que podem ocorrer semanalmente e mensalmente.

Uma forma de otimizar a gestão financeira é uma análise pormenorizada de todos os recursos. Deve-se anotar tudo, cada gasto ou pagamento recebido, por menor que seja seu valor, pois isso faz toda a diferença no saldo final.

Uma solução pode ser automatizar esse processo, o que garante a contabilização de todo e qualquer recurso.

O uso de softwares pode melhorar o controle financeiro da empresa, garantindo uma análise real do caixa, evitando sustos no futuro.

Uma análise que vai além do financeiro

Um planejamento financeiro saudável a uma empresa não pensa só na entrada e saída de recursos. Este deve ser um olhar atento a todas as áreas da empresa, entendendo onde o dinheiro está sendo aplicado sem gerar o devido resultado.

A melhoria nos diversos setores da produção pode significar um menor custo ou mais agilidade, otimizando a geração de lucros.

O cuidado do processo de produção também se dá com a equipe. Por exemplo, demissões não planejadas podem aumentar, de forma excepcional, os gastos e acentuar o problema de caixa deficitário.

O cuidado vai desde a contratação de profissionais qualificados, a atenção à sua equipe e às condições de trabalho para otimizar as diferentes áreas da sua empresa. 

Mesmo com todas as medidas tomadas, é normal haver situações de caixa deficitário.

Os exemplos deste conteúdo são modelos de negócios que dependem do uso de capital de giro da empresa para a continuidade dos trabalhos e de crescimento do negócio.

Portanto, deve-se estudar muito bem os custos, otimizar os processos e minimizar os prejuízos, mas, sobretudo, é necessário haver um planejamento financeiro honesto que considere a situação de caixa deficitário como essencial e potencial de crescimento.

Como a situação financeira depende do momento, o importante é honrar os compromissos de acordo com as demandas, controlando os danos de um caixa vermelho até que chegue os momentos de receber os louros de sua escolha.

Aumente seu caixa: antecipação de recebíveis

Muitas vezes, a solução, por mais contraintuitiva que pareça, é investir mais. 

Aumentar os recursos disponíveis para tomar decisões que levem a empresa a sair de um fluxo de caixa deficitário.

Algumas opções de operações financeiras podem ajudar nessa situação, como os empréstimos bancários. Mas as condições de juros e taxas que essa solução significa talvez não seja ainda a ideal. 

Em contraste, a antecipação de recebíveis tem sido uma solução simples, competitiva e ágil para o aumento de recursos disponíveis às empresas. Os recebimentos futuros, dívidas que serão pagas à sua empresa, podem gerar novas formas de investimento no presente. 

Dentre as maneiras de antecipar recebíveis, o FIDC, fundo de investimento de direitos creditórios, surge como uma das melhores opções. A empresa vende o direito a receber pagamentos futuros, cheques, duplicatas, parcelas de cartão de crédito, entre outras, a um fundo, garantindo o dinheiro no presente a partir de uma pequena taxa.

Para a empresa, isso significa um futuro fluxo de caixa com menos recebimentos em contraste com o número de pagamentos.  Mas, no momento presente, é uma solução para gastos próximos e, principalmente, para tocar projetos que possibilitam um grande retorno e uma grande oportunidade de crescimento da empresa.

Algumas empresas devem conviver diariamente com dificuldades no caixa

É possível um damage control para que o fluxo de caixa não se transforme numa dívida incontornável. 

O FIDC aparece como uma boa maneira de otimizar os investimentos no presente, aumentando seu faturamento atual e possibilitando que mesmo uma empresa com caixa deficitário continue a tocar projetos.

Para saber mais, a SB Crédito, um exemplo de FIDC em crescimento, está há 21 anos no mercado com um bom relacionamento com o consumidor. Para investir,  é importante uma empresa de confiança, com taxas competitivas, para um bom planejamento financeiro e a saúde da gestão orçamentária da empresa, mesmo com o caixa no vermelho. 

Clique aqui e conheça a SB Crédito >

Mercado financeiro, investimentos, recebíveis?
Fique atualizado e saia na frente!
Inscreva-se em nossa newsletter e receba conteúdos em primeira mão.