SB Crédito Blog

Conteúdos para descomplicar

as finanças da sua empresa!

26 de maio de 2021
COMPARTILHE

FIDC x Factoring: entenda as principais diferenças

Imprevistos financeiros podem acontecer a qualquer momento e em qualquer empresa. A boa notícia é que existem formas de evitar prejuízos que possam ameaçar o futuro do negócio.

Para isso, uma das melhores alternativas é recorrer a operações de antecipação de recebíveis como FIDC e Factoring. 

Essas são duas alternativas muito indicadas para quem precisa de dinheiro para otimizar o caixa e o capital de giro.

Contudo, antes de fazer a solicitação por uma ou outra é importante conhecer as particularidades de cada operação. Assim, fica mais fácil entender qual delas faz mais sentido para a realidade financeira da sua empresa. Afinal, embora pareçam iguais, FIDC e Factoring são duas práticas distintas em termos de origem, tributação e outros fatores. 

Continue neste post para entender melhor o que é FIDC, o que é Factoring e qual a diferença entre as duas opções de antecipação de recebíveis. Boa leitura!

O que é FIDC?

FIDC quer dizer Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. Um fundo formado por investidores qualificados e administrado por uma instituição financeira. É como uma espécie de condomínio. 

Supervisionado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), destina a maior parte do patrimônio para a compra e venda de direitos creditórios de outras empresas. Esses títulos de créditos podem ser negociados simultaneamente, tornando a operação bastante vantajosa.

Só para refrescar a memória, podem ser considerados direitos creditórios todos os valores que uma empresa tem para receber. Sejam eles: aluguéis, cheques, contratos, duplicatas, vendas à prestação ou outras transações.

O que é Factoring?

Já a Factoring é uma sociedade comercial com capital próprio que compra recebíveis de cheques pré-datados, duplicatas e notas promissórias.

Uma de suas principais desvantagens, no entanto, é a incidência de impostos sobre suas movimentações. Vamos explicar mais adiante quais são os tributos envolvidos.

Qual é a diferença entre FIDC e Factoring?

Embora FIDC e Factoring comprem recebíveis de empresas que vendem esses direitos creditórios, elas se diferenciam tanto em origem quanto na natureza das transações, riscos de inadimplência, títulos negociados e tributações. Entretanto, antes de escolher uma ou outra operação para a sua empresa é preciso conhecer suas particularidades.

Para ficar mais fácil de entender a diferença entre essas duas operações, explicamos melhor a seguir todos esses pontos:

1. Origem

Enquanto Factoring é uma sociedade comercial com capital próprio, o FIDC é uma espécie de associação de investidores onde cada um tem sua porção (cota) do fundo. Esse fundo é administrado por uma instituição financeira e supervisionado pela CVM.

Contudo, as diferenças seguem em suas estruturas jurídicas internas. Isso porque a empresa de Factoring é pessoa jurídica que pode se constituir em forma de Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI), Sociedade Limitada (Ltda.) ou Anônima (S/A). Já o FIDC, tem seu patrimônio em forma de condomínio de investidores que, por sua vez, tem as operações gerenciadas por uma instituição financeira e reguladas pela CVM. 

2. Natureza das transações

Além da origem, outra grande diferença entre FIDC e Factoring diz respeito à possibilidade de compra e de venda de títulos. 

O FIDC pode comprar e vender direitos creditórios de empresas de diferentes portes e segmentos. Esses recebíveis de pessoas jurídicas podem, inclusive, ser vendidos mais tarde para outros investidores.

No caso da Factoring, não existem investidores para injetar capital externo na operação. Os recursos usados na compra de recebíveis de outras empresas são próprios e os títulos só podem ser comprados em transações de curto prazo.

3. Riscos de inadimplência

Outro fator que difere as duas operações de antecipação de recebíveis se refere aos riscos de inadimplência envolvidos em cada transação.

Nos FIDCs o direito de regresso ao cedente, em caso de inadimplência no pagamento do título de crédito em questão, é assegurado. Porém, na Factoring não.

4. Natureza de títulos negociados

Em termos de títulos negociados, o FIDC sai na frente porque permite a antecipação de títulos de crédito como cédulas, debêntures, contratos, duplicatas e outras transações.

Empresas de Factoring saem em desvantagem. Só compram recebíveis de cheques pré-datados, duplicatas e notas promissórias.

5. Quantidade de títulos negociados

Em relação à quantidade de títulos que podem ser negociados, as possibilidades também são maiores no FIDC. Isso porque esse fundo de investimento permite a negociação de uma série de títulos de crédito diferentes ao mesmo tempo. Já no caso das Factorings isso não é possível.

Assim sendo, é importante notar que no FIDC existem mais oportunidades para captar crédito do que em uma Factoring. 

6. Tributações

Por fim, a última diferença entre FIDC e Factoring são as tributações que incidem sobre cada modalidade de antecipação de recebíveis.

No FIDC não existe preocupação com o pagamento de impostos.

Já sobre as operações das Factorings, incidem: Imposto de Renda (no regime do Lucro Real) e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras).

Assim sendo, na empresa de Factoring a carga tributária a ser considerada é mais alta do que no FIDC.

FIDC ou Factoring? Qual é a sua escolha?

Como você pode ver, por mais que as operações de antecipação de recebíveis sejam cada vez mais conhecidas no mercado de investimentos, é preciso conhecer suas particularidades. Isso porque, em alguns pontos podem ser mais custosas umas das outras. Portanto, para fazer a melhor escolha é fundamental avaliar a realidade financeira atual da sua empresa.

Contudo, é importante observar que os FIDCs ainda saem na frente quando o assunto é captação de recursos. Isso porque possuem alta rentabilidade em comparação com outros tipos de investimentos.

O rendimento do FIDC não varia de acordo com a oscilação do mercado. 

Então, você já vai saber qual vai ser a rentabilidade dos direitos creditórios a serem adquiridos logo no momento em que fechar um contrato. Isto é, a rentabilidade já é pré-fixada. 

Uma ótima opção para quem deseja diversificar investimentos sem correr grandes riscos.

Para entender melhor na prática como um FIDC pode ajudar a salvar a saúde financeira da sua empresa, conheça a antecipação de recebíveis da SB Crédito. Com 21 anos de mercado, 500 mil títulos antecipados por ano e mais de 3 bilhões de reais operados por ano, a empresa oferece crédito rápido, 100% online e sem burocracia. 

 

Mercado financeiro, investimentos, recebíveis?
Fique atualizado e saia na frente!
Inscreva-se em nossa newsletter e receba conteúdos em primeira mão.